DICAS PARA GERENCIAR A SAÚDE MENTAL DA EQUIPE DE TI
julho 28, 2021
DEZ MANEIRAS DE MELHORAR SUA EFICIÊNCIA DE TI
setembro 13, 2021
TERCEIRIZAÇÃO PÓS COVID E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS EMPRESAS

A pandemia de Covid-19 acelerou a mudança para o digital para muitas empresas. Em paralelo, destacou a importância da tecnologia e das transformações digitais para a evolução das organizações em todos os setores. Tenha sido ela forçada ou não.

Portanto, nossa nova realidade trouxe uma dependência cada vez maior do digital. Afinal, ressalta a necessidade das empresas se concentrarem mais em seus relacionamentos com seus provedores de serviços de TI. Isso porque, dessa forma, seus projetos de transformação terão maior probabilidade de sucesso e permitirá que as empresas liderem seus pares no rescaldo da Covid-19.

Em um relatório recente, Tendências de terceirização pós-pandêmica para CEOs, que foi coautorizado por Ilan Oshri da University of Auckland Business School, destacaram-se os resultados de uma pesquisa com 200 empresas globais com pegadas de TI substanciais.

Elas foram questionadas não apenas sobre o impacto da Covid-19, mas também sobre as mudanças que elas prevêem e como esperam operar em um novo ecossistema de fornecedores de negócios. Então, os entrevistados apontaram para desafios e oportunidades no futuro. Contudo, o valor contínuo do relacionamento fornecedor-cliente estava no centro dessas respostas.

Terceirização pós covid

A pandemia obrigou as empresas a confiar mais na terceirização, e sabemos que os fornecedores são essenciais para a transformação digital. No entanto, descobrimos que, apesar da tendência das empresas desenvolverem suas equipes internas, elas continuarão investindo na terceirização pós covid.

Os desafios que as empresas enfrentaram como resultado da Covid-19 estão bem documentados. Afinal, ao longo da série de bloqueios globais, em que muitas forças de trabalho mudaram para modelos de trabalho remotos, os fornecedores, especialmente em centros de terceirização como Índia e Filipinas, enfrentaram gargalos como problemas iniciais de internet e outros obstáculos.

Entretanto, quase todas as empresas pesquisadas relataram que os fornecedores continuaram a apoiar. Por exemplo, os fornecedores apoiaram as empresas fornecendo alívio financeiro de curto prazo a seus clientes. Isso ocorreu especialmente nos setores mais afetados, como varejo e serviços financeiros, onde as solicitações de revisões de contratos de curto prazo eram comuns.

Também foi identificado que a Covid-19 está acelerando a transformação digital. O que é verdade, contudo, é muito mais sutil do que isso. Afinal, a pesquisa descobriu que as empresas são mais seletivas com a transformação que optam por buscar. Ou seja, alguns elementos foram colocados em espera, principalmente porque as empresas não podiam se dar ao luxo de se concentrar neles.

Além disso, as atividades não críticas foram totalmente retiradas da agenda. Após a Covid-19, 96% das empresas pesquisadas desejam acelerar as transformações que são críticas para os negócios. Contudo, ao mesmo tempo, 75% continuarão a cancelar ou atrasar os projetos que não são mais prioritários. Portanto, os fornecedores devem se preparar para essa dinâmica de mudança.

Cinco etapas para melhores parcerias

A maioria das empresas pesquisadas ficou feliz com o desempenho do fornecedor. No entanto, a Covid-19 forçou uma mudança na forma como as empresas e os fornecedores interagem. Por exemplo, mais de 60% dos entrevistados disseram que renegociariam seus contratos para ajustar elementos como preço, escopo e modo de entrega. Ou seja, nenhum processo fácil para os fornecedores.

Seguindo em frente, há cinco etapas que as empresas podem seguir para gerenciar seu ecossistema de terceirização pós covid. Contudo, os fornecedores também devem trabalhar com os clientes. Confira-as a seguir:

1.Foco na resiliência

Todos os entrevistados disseram que têm um plano de continuidade de negócios em vigor. Isso é ótimo se apenas um país ou região estiver fora da rede. Contudo, se a rede global de uma empresa vacilar – como vimos ao longo de 2020 – as empresas se sentirão muito menos preparadas.

Portanto, o que a Covid-19 mostrou é que a resiliência deve permanecer no topo das agendas da empresa. Em contrapartida, os fornecedores geralmente estão em melhor posição para preencher quaisquer lacunas.

2.Parcerias seletivas

A maioria dos entrevistados pela pesquisa estava satisfeita com o desempenho de seus fornecedores. No entanto, estamos vendo uma tendência em que as empresas estão formando menos e mais profundas parcerias com fornecedores. Felizmente, esta é a abordagem certa. É cansativo, caro e complicado orquestrar um grande ecossistema de fornecedores e parcerias seletivas e profundas. Contudo, elas são muito mais produtivas.

3.Contratos preparados para o futuro

As empresas devem tentar mudar seus relacionamentos com fornecedores. Ou seja, devem se concentrar nos resultados, ao invés de nas entradas. A pesquisa mostra que 47% dos executivos esperam um aumento no uso de contratos baseados em resultados. Da mesma forma, as joint ventures estão de volta à agenda, com 47% dos executivos esperando um aumento delas.

4.Persistir com agendas de transformação

Ainda há, sem dúvida e com razão, um foco na transformação digital. Contudo, nos próximos dois anos, os líderes devem decidir em quais projetos de transformação investirão recursos e capital. Em contrapartida, também deverão decidir quais cancelarão ou adiarão.

Afinal, ao fazer isso, eles serão capazes de preencher as lacunas de capacidade e determinar os tipos de fornecedores com os quais precisarão fazer parceria para atingir seus objetivos de transformação.

5.Preencher lacunas de talentos

A pesquisa também mostrou algumas mudanças no sentido de alocar recursos de TI internamente. Contudo, pode-se descrever essa tendência como “internalização seletiva”. Afinal,  foi viável levar alguns recursos para trabalhar internamente. No entanto, outros foram terceirizados e offshored.

De forma geral, os movimentos para optar por talentos internos são impulsionados pelo desejo de reduzir o risco de projetos de transformação paralisados. Afinal, assim a empresa não ficaria dependente de prestadores de serviços em áreas onde sofrem com lacunas de talentos. Essa abordagem tandem, em que as capacidades internas são aumentadas juntamente com o engajamento dos provedores de serviços, é uma tendência que tende a crescer nos próximos anos.

Tanto a pesquisa quanto o trabalho contínuo com o cliente demonstram como é importante gerenciar ativamente os relacionamentos e os ecossistemas com fornecedores. Contudo, isso não significa contratar mais fornecedores. Significa tomar uma decisão consciente sobre as necessidades do seu negócio, e a Covid-19 apenas tornou essas necessidades mais críticas.

Faça parte também das organizações que estão se diferenciando no mercado, conte com a INSTI.

Entre em contato conosco e converse com um de nossos especialistas. Será um prazer atendê-los!

Ligue agora: 19 9.8814-7624